Número de famílias na extrema pobreza salta 11,8% em 2022

O número de famílias em situação de extrema pobreza inscritas no CadÚnico saltou 11,8% em 2022. Em fevereiro deste ano (última atualização dos dados no site do ministério), 17,5 milhões de famílias brasileiras viviam com renda per capita mensal de até R$ 105. O Cadastro Único é um registro feito pelo governo federal em parceria com os municípios.

Os dados mostram quem são e como vivem as famílias de baixa renda no Brasil. Cidadãos que se inscrevem e mantêm os dados atualizados na plataforma podem recorrer a programas sociais como o Auxílio Brasil (que substituiu o Bolsa Família).

O ano de 2021 terminou com 15,7 milhões de famílias cadastradas. Quando a pandemia de covid-19 atingiu o Brasil, em março de 2020, 13,5 milhões de famílias estavam registradas no programa. De lá para cá, a alta foi de 22,8%.

AUXÍLIO EMERGENCIAL

Em outubro de 2021, com o corte do Auxílio Emergencial, o número de famílias em situação de extrema pobreza disparou. Em 5 meses, 2,5 milhões de famílias nessa faixa de renda se inscreveram no sistema. Alta foi de 14,1%. Paralelamente, o número de beneficiários do Auxílio Emergencial também cresceu. Foram pagos 18 milhões de benefícios em abril. A média foi de R$ 409,82 por família.

AUXÍLIO X CARTEIRA ASSINADA

Com a expectativa de que o programa se torne permanente, e com a pauta econômica e inflacionária norteando o processo eleitoral, o Auxílio pode contribuir para a absorção de votos para os defensores e beneficiários do programa.

O Poder360 mostrou em reportagem recente que o número de beneficiários do programa Auxílio Brasil é maior que o de empregos com carteira assinada (o que exclui setor público) em 12 das 27 Unidades da Federação. Os dados consideram os 41 milhões de trabalhadores formais com carteira de trabalho assinada. Há, no entanto, um contingente grande de trabalhadores informais e/ou sem carteira assinada.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *