Por que a Geração Z está se sindicalizando nos EUA

Mesmo entre a população geralmente jovem de trabalhadores da Starbucks que se sindicalizam em Buffalo, Nova York, Maya Panos, de 17 anos, é mais jovem do que a maioria.

Em seu curto período como membro do mercado de trabalho, a estudante do último ano do ensino médio diz que perdeu estabilidade econômica – Panos foi despedida de seu primeiro emprego como recepcionista devido à pandemia. “Foi uma época realmente terrível”, disse Panos. “A estrutura da minha vida estava desmoronando diante dos meus olhos e eu não podia fazer nada a respeito.”

Ela ingressou no Starbucks em meados de julho, um mês antes de sua franquia anunciar sua campanha sindical, e logo percebeu que, mesmo como funcionária em meio período, as condições de trabalho podiam melhorar.

“Você simplesmente tem clientes abusando verbalmente de você”, disse Panos, “Você recebe um aumento de US$ 1 ou US$ 2 (por hora) enquanto está assumindo muito mais trabalho. E eu sinto que eles estão nos usando.”

De acordo com a Pew Research, em 1983, 20% dos americanos eram sindicalizados – mas, em 2020, essa porcentagem havia caído quase pela metade, para 10,8%. É ainda mais baixo para trabalhadores de 16 a 24 anos que têm taxas de participação sindical historicamente baixas, de apenas 4,4% em 2020, de acordo com o Escritório de Estatísticas do Trabalho, já que muitos começam em serviços temporários ou empregos no varejo onde os sindicatos têm pouca influência.

No entanto, cerca de 77% dos jovens adultos apoiam os sindicatos, de acordo com uma pesquisa Gallup de setembro. Mas isso não significa que escolherão se sindicaizar.

Em vários setores, no entanto – particularmente nos setores de mídia e serviços – o interesse no movimento trabalhista está ganhando força entre os trabalhadores mais novos e mais jovens da economia.

A Geração Z, nascida entre 1996 e meados dos anos 2000, atingiu a maioridade por meio do Black Lives Matter, da pandemia de coronavírus e da presidência de Trump. Os mais antigos entre eles se lembram da crise financeira global de 2008 e da Grande Recessão, e veem os ecos da instabilidade econômica daquela época hoje.

“Eles viram as oportunidades para sua geração desaparecerem e temem ficar em situação pior do que seus pais”, disse Kate Bronfenbrenner, diretora de Pesquisa em Educação do Trabalho e conferencista sênior da Escola de Relações Industriais e Trabalhistas da Universidade Cornell. “Eles olham ao redor e veem quem está fazendo algo, e veem o movimento trabalhista.”

Muitos dos entrevistados pelo CNN Business dizem que querem se juntar a um movimento onde as causas sociais fazem parte dos valores de seu local de trabalho. “[Os sindicatos] não passaram pela minha cabeça, porque aprendemos que todos esses grandes movimentos sindicais aconteciam há muito tempo”, disse Panos. “Então você acha que tudo deve estar resolvido agora. E tudo deve estar bem.”

Kaitlin Bell, 23, presidente de comunicações do Sindicato dos Trabalhadores Profissionais de Empresas Sem Fins Lucrativos e membro do Sindicato dos Trabahadores da CLINIC, que representa a Rede Católica de Imigração Legal, decidiu que queria se organizar depois de ver TikToks de millennials trabalhando no setor sem fins lucrativos, fazendo piadas sobre chefes arrogantes e seus medos de serem demitidos.

“Quero estar em um ambiente de trabalho onde as pessoas se sintam seguras e protegidas”, disse Bell. “Esses TikToks são engraçados, mas se essa for a nossa realidade nas próximas décadas, pode ser um pouco desanimador.”

Richard Minter, o diretor organizador da União dos Trabalhadores, uma afiliada do Sindicato Internacional dos Trabalhadores do Setor de Serviços, disse que organizou cerca de 300 novos membros nos últimos 18 meses. A maioria deles eram jovens que trabalham em restaurantes e indústrias de serviços. “Em minha história de 27 anos fazendo isso, não acho que tenha visto esse tipo de bravura”, disse Minter.

Kati Kokal, agora repórter do Palm Beach Post, era a jornalista mais jovem da equipe do Island Packet, de Hilton Head, Carolina do Sul, quando ingressou no jornal aos 22 anos em 2018.
A equipe do Packet começou a discutir a sindicalização em março de 2020, pouco antes de o dono do jornal, McClatchy, ser comprado pelo fundo de hedge Chatham Asset Management em uma liquidação judicial.

Kokal, que cresceu no Cinturão de Ferrugem dos Estados Unidos, onde seu pai era membro de um sindicato de fundição de uma fábrica, entrou para o comitê de negociação do jornal. Ela dirigia para as casas dos trabalhadores depois do expediente para que eles assinassem os cartões do sindicato.

“Quando eu estava na faculdade, não estávamos falando sobre sindicalização nas redações, e agora entre os estudantes jornalistas existe mais dessa ideia”, disse Kokal.

Starbucks se organiza

Quando William Westlake, 24, foi abordado pela primeira vez para se juntar no Gimme! Café em Ithaca, em Nova York, em 2016, ele tinha uma lista de 140 perguntas para os organizadores antes de entrar para a comissão sindical, como qual seria a estrutura de organização e quanto ganharia o presidente do sindicato.

Ele aprendera sobre direitos trabalhistas no colégio – o incêndio da fábrica Triangle em 1911, por exemplo -, mas não tinha certeza se grandes movimentos trabalhistas ainda estavam acontecendo.

Agora, ele lidera o esforço de organização em sua unidade Starbucks em Buffalo, onde os trabalhadores de três lojas estão realizando eleições sindicais e outros três entraram com petições solicitando uma eleição para ingressar na União dos Trabalhadores, afiliada ao Sindicato Internacional dos Trabalhadores do Setor de Serviços.

“Seria raro não ter um amigo com quem eu já não tivesse falado sobre sindicalização em algum momento”, disse Westlake. “Quer você esteja trabalhando com café ou começando como profissional médico ou engenheiro.”

A loja de Westlake em Buffalo, onde os funcionários são em sua maioria jovens, mulheres e progressistas, disse ele, começou a votação pelo correio no início de novembro. As votações vencem no início de dezembro.

O Starbucks está inundando o mercado de Buffalo com altos executivos que estão realizando reuniões com funcionários. O ex-CEO Howard Schultz até falou pessoalmente com os funcionários antes do início da votação no sindicato.

A Starbucks diz que a empresa não é “anti-sindical” – eles frequentemente realizam sessões de escuta em todo o país e enviam membros corporativos para locais quando há questões operacionais. A Starbucks diz que seus funcionários receberam três aumentos salariais nos últimos dois anos.

Foi a primeira vez que Panos assinou um cartão do sindicato, e ela disse que se sentia como se estivesse assinando um documento ilegal e que estava sendo “espionada” por funcionários de empresas de fora do estado. O Starbucks disse que quaisquer alegações de intimidação não são precisas.

“Eu perguntaria aos meus colegas de trabalho: eu vou ser demitido amanhã?” Panos disse.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.