Guedes diz a empresários estar aberto a mudanças na reforma tributária

O ministro da Economia, Paulo Guedes, se reuniu com empresários ontem, em São Paulo, para ouvir sugestões e reclamações do texto da reforma tributária. O chefe da equipe econômica afirmou que está aberto a mudanças, além de se mostrar confiante de que a reforma administrativa caminhará em velocidade similar no Congresso Nacional. “Ele disse que a reforma administrativa e a tributária devem passar simultaneamente e neste ano”, afirmou Marun Cury, diretor da Associação Paulista de Medicina, participante do encontro com Guedes.

O empresário contou que Guedes está confiante com a colaboração do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para o andamento das pautas. Ao mesmo tempo, o ministro da Economia acenou que o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), estaria mais “relutante”, nas palavras de Cury.

O ministro admitiu que o primeiro texto não era positivo para a iniciativa privada e se comprometeu a não aumentar a carga tributária das empresas e a compensar o aumento do imposto sobre os dividendos com a redução do Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ).

Esse último, inclusive, é algo de que o ministro não vai abrir mão, segundo Gabriel Kanner, presidente do Instituto Brasil 200. De acordo com o representante dos empresários, o ministro afirmou que é necessário taxar os dividendos, mas que, como haverá uma “redução agressiva” do IRPJ, o governo vai deixar de arrecadar R$ 50 bilhões.

Complexidade 

E vem o impasse: os empresários querem saber como a conta vai fechar, estando o governo em situação fiscal desfavorável. “Ele pontuou que há um aumento da arrecadação com a recuperação econômica e que haverá espaço para essa redução”, disse Kanner. O ministro ainda ouviu dos empresários que o texto não resolve o principal problema: a complexidade de pagar impostos. Houve questionamentos a respeito da não inclusão dos Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, de competência estadual, e do Imposto sobre Serviços, de competência municipal, na simplificação.

“Ele disse que todo pedido que tem fundamentação será analisado”, relatou Nabil Sahyoun, presidente da Associação Brasileira de Lojistas de Shopping.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *