Governo pede autorização para destravar R$ 164 bi em gastos com pessoal e Previdência Projeto tem o objetivo de contornar regra de ouro, que limita o endividamento do governo federal

O presidente Jair Bolsonaro pediu autorização ao Congressopara o governo se endividar em R$ 164 bilhões e usar esses recursos para bancar gastos como de pessoal e Previdência.

O projeto solicita abertura de crédito suplementar nesse valor. Na prática, o presidente pede liberação para contornar a chamada regra de ouro, que impede o governo de se endividar para pagar despesas correntes, como salários, aposentadorias e benefícios assistenciais.

A informação foi confirmada nesta quarta-feira (16) pelo Ministério da Economia. O projeto ainda não havia sido publicado no Diário Oficial da União.

Inicialmente, o valor da insuficiência relacionada à regra de ouro para 2021 estava em R$ 453,7 bilhões. Mas o governo usou fontes superavitárias, como o resultado do Banco Central, para abater esse valor.

De acordo com nota do Palácio do Planalto, a abertura do crédito será feita em favor de diversos órgãos. A aprovação da proposta não cria novos gastos, apenas autoriza despesas que estavam condicionadas. Por isso, não há impacto no teto, regra que limita o crescimento dos gastos públicos à variação da inflação.

É a terceira vez que o governo depende de aprovação desse crédito extra para gastar todo o Orçamento, reflexo da crise nas contas públicas.

O Congresso autorizou o governo a descumprir a regra de ouro em 2019 quando faltavam poucos dias para começar a faltar dinheiro para o BPC, benefício assistencial pago a idosos carentes e pessoas com deficiência.

Vincular o crédito extra a gastos de cunho social e previdenciário foi uma estratégia adotada pelo governo. Assim, a resistência dos congressistas à medida cai.

O projeto que libera o crédito da regra de ouro precisa do apoio da maioria dos parlamentares —257 na Câmara e 41 no Senado.

REGRA DE OURO

O que é:

Proíbe que o governo realize operações de crédito (emissão de títulos da dívida pública) que excedam o valor das suas despesas de capital (investimentos)

Exceção:

Operações de crédito autorizadas por meio de créditos suplementares ou especiais com finalidade específica aprovados pelo Congresso por maioria absoluta

Objetivo:

Estimular o investimento e frear o avanço do endividamento para custeio de gastos correntes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *