A reforma tributária ajudaria a financiar o novo auxílio emergencial?

Especialista da Dootax, startup que simplifica as rotinas fiscais das empresas, comenta a relação entre os dois temas, que estão em discussão no Congresso.

A reforma tributária está em pauta no Congresso Nacional, mas foi paralisada durante a pandemia. O Brasil é um país que tem uma das mais complexas cargas tributárias do mundo, o que aquece ainda mais o debate.

Uma outra discussão é o financiamento de um novo auxílio emergencial destinado a trabalhadores informais e de baixa renda. Contudo, especialistas do setor apontam que a reforma tributária pode alavancar a criação de um programa de renda mínima no País.

Segundo Yvon Gaillard, economista e fundador da Dootax, startup que otimiza as rotinas fiscais de empresas, ainda há muitas dúvidas sobre uma possível reforma tributária e em nenhuma das propostas apresentadas há redução de carga tributária.

“Então, como convencer a população de uma reforma tributária ampla? Uma potencial resposta seria embarcar o financiamento ao programa de renda mínima, o auxílio emergencial que o governo deu no ano passado na pandemia e agora pretende voltar a partir de março de 2021”, explica Gaillard.

Viu isso? Desemprego atinge 13,9 milhões de pessoas em dezembro de 2020

“Tal programa mostrou ter um impacto extremamente positivo na economia, além de ajudar os milhares de cidadãos brasileiros impactados pela crise econômica que o país vive desde de 2015 e agravada agora pela pandemia”, completa.

Ele aponta ainda que é necessário esclarecer a reforma com dados e eliminar a linguagem jurídica à população. “Isso a DOOTAX se propõe a fazer. Criamos uma base na qual as empresas podem ver o real impacto de uma reforma em sua operação. Isso dará mais subsídio para um debate sadio e propositivo.”

Além disso, ele afirma que o governo precisa “cortar na carne” as despesas desnecessárias e congelar aumentos a governantes eleitos por um bom tempo para todos os entes federativos.

“Sem apoio popular, sem sacrifícios de todos, principalmente da classe política, não haverá reforma tributária democrática e nem melhora do ambiente econômico para em um futuro começarmos gradativamente a diminuir a carga tributária”, finaliza o especialista.

Bolsonaro confirma quatro parcelas de R$250 a partir de março
Em sua live semanal nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nessa quinta-feira, 25, que o valor do novo auxílio emergencial será de R$250. Ele também disse que o benefício deve começar a ser pago em março e terá um total de quatro parcelas.

” A princípio, o que deve ser feito? A partir de março, por quatro meses, R$250 de auxílio emergencial. Então é isso que está sendo disponibilizado, está sendo conversado ainda, em especial, com os presidentes da Câmara [Arthur Lira] e do Senado [Rodrigo Pacheco]. Porque a gente tem que ter certeza de que o que nós acertarmos, vai ser em conjunto”.
Segundo o presidente, a expectativa é que esses novos pagamentos tenham impacto na economia. “Nossa capacidade de endividamento está, acredito, no limite. Mais quatro meses para ver se a economia pega de vez, pega para valer”, afirmou. 

Fonte: Folha Dirigida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *