Cinco políticos do Distrito Federal, alvos da Lista de Janot, tiveram os pedidos de abertura de inquérito. 

Cinco políticos do Distrito Federal, alvos da Lista de Janot, tiveram os pedidos de abertura de inquérito remetidos para outros foros e tribunais pelo ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF). Entre os alvos da medida, estão os ex-governadores José Roberto Arruda (PR) e Agnelo Queiroz (PT), o ex-senador Gim Argello e o deputado distrital Robério Negreiros (PSDB), além de Márcio Machado, ex-presidente do PSDB local e secretário de Obras no governo Arruda.

Segundo o Ministério Público Federal, delatores da Odebrecht afirmaram que Arruda teria recebido R$ 996 mil, em recursos não contabilizados de caixa 2, para a sua campanha de 2014. A Agnelo Queiroz, teria sido destinado R$ 1 milhão, no ano de 2010.

Além dos pedidos relacionados aos políticos, a Justiça do DF deverá decidir se autoriza a investigação do contrato firmado entre o GDF e as empreiteiras que construíram o Centro Administrativo de Brasília (Centrad); as obras do Estádio Nacional de Brasília Mané Garrincha; e o suposto pagamento de vantagens indevidas no Projeto Habitacional Jardins Mangueiral.

 

O ex-vice-governador e atual assessor especial do presidente Michel Temer, Tadeu Filippelli (PMDB), e o ex-deputado Geraldo Magela (PT) teriam sido citados nas delações da Odebrecht, mas não aparecem na lista divulgada pelo STF. Os casos de ambos podem não ter gerado pedido de abertura de inquérito por parte da PGR ou podem estar entre as 25 petições ainda mantidas em sigilo.

Acusações
A justificativa para os pedidos de abertura de inquérito contra os suspeitos que não responderão a eventuais processos no STF só será detalhada nesta quarta-feira (12/4), quando a Corte deve liberar as delações premiadas dos executivos da Odebrecht. No entanto, as delações de executivos da empreiteira sinalizam as acusações que pesam contra os políticos do DF.

Arruda e Agnelo, por exemplo, já tinham entrado na mira de Janot após delação do ex-presidente da empresa Andrade Gutierrez, Otávio Azevedo. Ele afirmou que os ex-governadores “embolsaram comissões” para favorecer a empresa nas obras do Estádio Mané Garrincha, que custou quase R$ 2 bilhões aos cofres públicos. No caso que envolve a Odebrecht, Agnelo e Arruda ainda são suspeitos de irregularidades no contrato do Centro Administrativo.

Já o ex-secretário de Obras Márcio Machado, que até então não fora relacionado ao escândalo, teve papel de destaque nas duas obras durante a gestão Arruda.

Robério Negreiros, por sua vez, é citado por Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht. O tucano é acusado de receber uma doação de R$ 50 mil da empreiteira para a sua campanha eleitoral.

Confira abaixo quais as acusações contra políticos do DF:

Deixe um comentário

Certifique-se de preencher os campos indicados com (*). Não é permitido código HTML.

  • Últimas Notícias
Márcia de Alencar sai da Segurança. Assume

O governador Rodrigo Rollemberg (PSB) anunciou nesta segunda (2

Cássio envia MP do Programa Especial

O presidente em exercício do Senado, Cássio Cunha Lima.

Deficit fiscal de junho deve ser próximo de R$ 20 bilhões

A prévia do resultado primário do governo federal .

Comentários